domingo, 18 de julho de 2010

Caça às bruxas em cor de rosa

Me incomoda muito as argumentações que aparecem quando o assunto é homossexualismo e igualdade nos direitos civis. Como se a igreja representasse a justiça de Deus na terra, centenas de religiosos saem às ruas em passeatas que lembram uma caça as bruxas moderna, sem a obscuridade que vemos nesses filmes que retratam épocas medievais. É extremamente contraditório que esses mesmos justiceiros divinos esqueçam de um dos mais belos mandamentos de Deus: "Ame ao seu próximo como a ti mesmo", e juntamente contradizem o direito de livre arbítrio dado por Deus a todos. Trasformam em ódio e crimiminosos centenas de pessoas, não só homossexuais mas heterossexuais, os quais desacreditam cada dia mais nas religiões, estas com premissas cada vez mais segregadoras. Cada dia creio mais que não há transparência de divindade nesses conjunto de seres humanos que descartam as frases dos adesivos que colocam nos carros, que dizem "Deus é amor", sem ao menos entender o nome e a grandeza do seu significado. O mesmo Deus que criou os céus e a terra é o Deus desses adesivos? É o Deus que descerá numa ira violenta como um anti-herói da Dc Comics e se vingará de todos que não o seguiram? Ora, vejo que são esses religiosos fervorosos os ultimos a se juntarem numa campanha contra a violência, o tráfico, a corrupção no senado, a reforma na educação brasileira ou o escambal. Qual a hierarquia de importância nas milhares de questões aí lanvantadas a cada dia? Qual o tamanho do espírito de porco encrustado em cada um de nós que prefere se chocar com o caso do goleiro bruno do que com uma infinidade de questões mais importantes?

"Deus está para além de Deus"- Paul Tillich

ps: sim, ainda acredito em Deus.

5 comentários:

  1. Sempre me lembro de uma evangélica que vi num ponto de ônibus há alguns anos, esbravejando contra uma vizinha fofoqueira, e que acabou o seu discurso da seguinte forma: "Mas meu Deus é um Deus de justiça, e queima a língua dela com fogo!"
    Mais que a incoerência da "praga" lançada sobre o próximo, o interessante é reparar no uso da expressão "o MEU Deus". Como se fosse possível privatizar Deus, como se esse Deus não fosso o Deus de todos. É triste ver que muitas pessoas vêem a divindade com esse olhar mesquinho, e era a esse véu que eu me referia num outro comentário desaparecido.

    Acreditar em Deus é bom, se você vive de acordo com o que essa crença implica.

    ResponderExcluir
  2. Gostei da parte da DC.

    ResponderExcluir
  3. aproveite o Halloween... fantasia-se a cace os "deuses"...

    ResponderExcluir
  4. "Vivemos uma época em que grupos discutem não a liberdade de expressão, mas quem terá o direito de exercer a tirania".

    Quanto tiver tempo leia esse texto.
    http://www.ipclfg.com.br/colunista-convidados/william-douglas/dois-surdos-os-religiosos-e-o-movimento-gay/

    Maria Teresa

    ResponderExcluir